jun
25

PLANOS DE SAÚDE DEVEM CUSTEAR O TRATAMENTO DA DMRI

AuthorPostado por: Acioli Alexandre    Category Em: Serviços     Tags

dmriA principal causa de perda de visão na velhice é a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), que provoca a deterioração da visão central e afeta principalmente pessoas com mais de 60 anos. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a estimativa é que a enfermidade afete cerca de 30 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Para trata a DMRI, controlando a sua progressão, a medicina desenvolveu três importantes medicamentos nos últimos anos: Avastin, Lucentis e Macugen, que são aplicados diretamente no olho, facilitando o tratamento.
Apesar disso, segundo a advogada especializada em Direito à Saúde, Danielle Bitetti, muitos planos de saúde têm negado o custeio do tratamento com essas medicações. “As operadoras se negam à cobertura da aplicação, alegando não estar o tratamento previsto no rol da ANS ou que o tratamento está excluído do contrato assinado”, explica. 

O rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é uma lista de procedimentos que os planos devem cobrir. Na opinião da advogada, trata-se de uma referência mínima, que não consegue acompanhar os avanços da medicina. Por isso, novos tratamentos que não constem na relação também devem ser custeados. “[O rol] não exclui a garantia de outros exames e procedimentos necessários ao tratamento das doenças cobertas, uma vez que não acompanha, na velocidade necessária, a evolução da ciência médica.”

Quando a alegação do plano se refere à exclusão do tratamento no contrato, é preciso que essa condição seja expressa no documento. “As exclusões devem ser expressas e devem constar em contrato. Quer dizer: devem estar claras, caso contrário, o tratamento é coberto”, defende a advogada Danielle Bitetti. Para ela, pacientes que se depararem com esse tipo de situação devem buscar a ajuda da Justiça.

DMRI – A Doença Macular Relacionada à Idade é uma enfermidade que acomete a retina e afeta principalmente idosos acima de 60 anos. Ela se caracteriza pelo crescimento anormal de vasos sanguíneos por baixo da retina (região chamada de ‘mácula’), acarretando perda da visão central.

O indivíduo portador da doença começa a ter dificuldades para reconhecer rostos, ler e dirigir. Indivíduos caucasianos são mais propensos a desenvolver o problema e hábitos como tabagismo, má alimentação e exposição excessiva ao sol também podem favorecer o seu aparecimento. Sua versão mais leve (a DMRI ‘seca’) não costuma ser tão agressiva e é a mais comum.

Fonte: Dino

Envie um comentário

Redes Sociais:

senai-dez

sesi-dez

Anuncio-gif OH

pernambucont


Olinda Hoje no Facebook:

Previsão do Tempo:

Favoritos

Categorias do Blog:

Mapa do Site:

Arquivos do Blog: