abr
23

PERNAMBUCO TEM A TERCEIRA PIOR QUEDA DE EMPREGOS

AuthorPostado por: Acioli Alexandre    Category Em: Empregos     Tags

empregoO que os brasileiros vêm passando há meses, agora, está expresso em números. O Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged) apontou uma redução, no mês passado, de mais de 118 mil empregos com carteira assinada no país. Foi o pior resultado, para este mês, desde o início da série histórica do governo, em 1995.

A variação entre abril e mar­ço foi de -0,30% e o saldo negativo foi em relação ao número de admitidos (1.374.485) e desligados (1.493.261).

Como se não bastasse, Pernambuco está entre os três estados com pior queda: são 11.383 empregos a menos (-0,88%). E o Nordeste é a segunda pior região (menos 46.269 postos de emprego, correspondendo a uma variação de -0,71%), atrás somente do Sudeste (-58 mil ou -0,28%).

Para o secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho e Previdência, Márcio Alves Borges, o que aconteceu com Pernambuco foi por questões sazonais no setor sucroalcooleiro e outros fatores conjunturais. Entre os segmentos que registraram queda estão indústria de transformação, com menos 4.634 postos de emprego; agropecuária, com -2.590; comércio, com -2.126 e construção civil, com -208. Somente o setor de serviço industrial de utilidade pública obteve um saldo positivo de 21 empregos.

No Brasil, o setor de administração pública se salvou e teve desempenho positivo de 4.335 postos de emprego e variação de 0,48%. No entanto, a área de mecânica teve perda de 6.501 (-1,15%), metalúrgica perdeu 5.960 (-0,91%), indústria química, 2.545 (-0,28%) e serviços, 18.654 (-0,11%).

Já alguns segmentos que também apresentaram que­da, mas foi observada desaceleração em relação aos outros meses, está o comércio, que perdeu 41.978 vagas (-0,46%), sendo 41.516 (0,55%) perdidas no varejo; indústria de transformação (-24.856 postos, equivalente a -0,33%) e a construção civil (-24.184 ou -0,92%).

Os únicos estados que não tiveram diminuição foram os do Rio Grande do Sul, com a criação de 4.803 postos (cresceu 0,18%); Goiás, com saldo positivo de 3.331 postos (0,28%); Roraima, gerando 200 vagas (0,43%); e Mato Grosso do Sul, com 187 postos (0,04%).

“O cenário de incerteza faz dessa realidade uma tendência entre os empregadores e desfavorece os trabalhadores”, justifica o secretário Alves Borges. Essa explicação se aplica ainda quando é visto o mesmo mês analisado, só que em 2014, que teve número positivo de 19.282, e despenca para -118.776, este ano, o número de empregos formais.

Fonte: Folhape

 

Envie um comentário

Redes Sociais:

senai-dez

sesi-dez

an3

pernambucont


Olinda Hoje no Facebook:

Previsão do Tempo:

Favoritos

Categorias do Blog:

Mapa do Site:

Arquivos do Blog: