maio
4

O QUE APRENDI COM NELSON SARGENTO

AuthorPostado por: Acioli Alexandre    Category Em: Artigos     Tags

Mariza Sorriso – Cantora e poeta

Autor de célebres obras como, por exemplo, os sambas “Agoniza mas não morre” e “Falso amor sincero”, Nelson Sargento é um dos artistas brasileiros mais importantes da nossa história musical. Tive o prazer de ser apresentada por esse ilustre músico e compositor à noite carioca.

Ele me aproximou de alguns bambas, orientou-me a estudar sobre a vida dos sambistas e até me deu o livro “Um certo Geraldo Pereira”, cuja obra ele é coautor.

SGTAprendi muitos de seus sambas quando cantávamos juntos. Ainda hoje me pego interpretando músicas de um modo muito parecido ao dele. Também me apresentou a grandes sambistas quando o acompanhava ao Candongueiro, em Niterói (RJ),nos anos de 1990. 

O meu primeiro show foi mágico: “Nelson Sargento apresenta Mariza”. Aconteceu em agosto de 1987. Embora já cantasse na minha cidade de Petrópolis, no Rio não era fácil começar.

Gravei “Rio de Janeiro”, primeira faixa do CD Rio de Todas as Cores, um samba que ele compôs com o padrasto Alfredo Português e que esteve inédito desde 1954. Lembro desse momento até hoje. O Nelson Sargento me passando a letra e a melodia, de memória, porque só lá estava registrado. Tive a honra de gravar essa pérola para a posteridade.

Outro momento gratificante para mim foi que o poeta Nelson Sargento escreveu um lindo texto na quarta capa, apresentando o meu primeiro livro de poemas “Das Raízes do Coração”. 

E por último, uma edição inteira do programa “Eles têm história pra contar”, na Rádio Roquete Pinto (RJ), que esse artista faz com Agenor de Oliveira, em minha homenagem. Sou só gratidão!

Sempre tive orgulho de dizer que fui apadrinhada por Nelson Sargento. Esse encontro me permitiu conduzir minha vocação em levar alegria, esperança e otimismo às pessoas através da minha arte.

Trabalhar com tão brilhante artista só fortaleceu essa vocação, pois Nelson Sargento é puro otimismo e luz. 

Escrevi um poema dedicado a ele. Está na antologia poética “Entre o Fado e o Samba” (Lisboa-Pt), de 2014.

Reverência ao Samba, Para Nelson Sargento

Não nasci sambista, 
Mas nasci artista!

O samba me contagiou 
Porque quis Nosso Senhor, 
Que minha iniciação se desse
Por esse grande compositor 
Que ao samba deu sua vida
E a sua Mangueira querida 
Sambas enredos de louvor.

No Japão fundou escola 
Yokohamangueira batizou 

Com uma nobre missão, 
Formou músicos e opinião 
Transformando o velho samba 
Tão discriminado de outrora 
Na bandeira mais querida 
Da nossa nação colorida 
A representar o Brasil 
Pelo mundo afora.

 

Envie um comentário

Redes Sociais:

senai-dez

sesi-dez

an3

pernambucont


Olinda Hoje no Facebook:

Previsão do Tempo:

Favoritos

Categorias do Blog:

Mapa do Site:

Arquivos do Blog: