maio
29

SÍTIO HISTÓRICO DE OLINDA: IMÓVEIS COM ESTRUTURAS ALTERADAS E PERDA DE MEMÓRIA

AuthorPostado por: Acioli Alexandre    Category Em: Olinda     Tags ,

Fazendo comparações entre as cidades de Olinda e Óbitos (Portugal), o pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, Cláudio Borba, afirma que a arquitetura dos imóveis da Cidade Alta (Olinda) foi muito alterada ao longo de mais de 400 anos. Ele relembra que a área foi, até mesmo, incendiada durante a invasão holandesa. “No século XIX e início do século XX, Império e Primeira República, tivemos momentos de revisão dos motivos decorativos das casas urbanas das cidades brasileiras ao gosto neoclássico e eclético”, ressaltou.

Quando a cidade tornou-se atraente para a fixação de artistas e intelectuais, nas décadas de 1970 e 1980, foi inevitável, ponderou Borba, que muitas alterações fossem realizadas no interior dos imóveis, inserindo características modernas, como plantas livres, mezaninos e terraços nos pavimentos superiores. mourisco“Porém, se a descaracterização se dissemina se perde o controle, perde-se a memória”.

Ele citou situações semelhantes em cidades como Faro e Braga (Portugal), além da brasileira São Luiz, no Maranhão. Da arquitetura mourisca, sobraram apenas dois sobrados em Olinda, sendo um na Rua do Amparo e o outro remanescente na Praça Conselheiro João Alfredo, no Carmo. Esse último (foto), com sacadas geométricas, abrigou o Imperador Pedro II.

Barateamento – A presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil em Pernambuco (IAB-PE), Vitória Régia Andrade, destacou elementos ausentes para unir Olinda aos cerca de 800 Patrimônios da Humanidade, eleitos pela Unesco em todo o mundo. “É algo que está intrínseco nos cidadãos, tem origem na falta de pertencimento com o lugar onde vivem. Hoje assistimos proprietários que preferem construir um novo quarto ou mais um banheiro, em detrimento do valor afetivo do imóvel”, ressaltou.

Segundo a gestora, a condição de capital também simboliza um peso neste processo. “Uma obra em uma casa com chancela de preservação chega a ser 50% mais cara que uma convencional, cabendo profissional habilitado. Por aqui se acaba fazendo de qualquer jeito, à revelia dos órgãos e pensando apenas na comodidade”, acrescentou.

ol12Dificuldades – A visão é compartilhada pelo doutor em Desenvolvimento Urbano e professor da UFPE, Tomás Lapa. Para ele, as dificuldades econômicas do País e do Estado acabam somadas às carências de preservação. “Muitos dos moradores até tentam, mas não dispõem de meios para manter sem descaracterizar. Por outro lado, as esferas a quem caberia esta competência acabam omissas, sem dispor de estrutura de acompanhamento”, afirmou.

O urbanista lembra as políticas públicas da União Europeia para preservação cultural, imersas em legislações fortes e restritivas. “Os próprios habitantes se interessam em liderar projetos e capitanear recursos. São bem mais atuantes”, destacou.

Já o gestor do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), com sede em Olinda, Fernando Augusto Souza, parte em defesa. “Não se trata apenas do poder de polícia fiscalizadora, temos que trabalhar a educação patrimonial. A preocupação está em estimular as pessoas e promover o diálogo. Por meio de palestras e debates é ensinado que preservar é uma forma de manter sempre vivo. Porém, estamos dentro de uma política nacional que ainda precisa respirar melhor”, disparou.

Nas fachadas, a descaracterização – No Sítio Histórico de Olinda o sol parece nascer mais cedo. São carros circulando desregradamente nas vias raestreitas, estudantes em direção à escola, gente que chega a toda hora para visitar. É barulho, sujeira e muita deterioração. Enquanto sobrados seguem deteriorados, muros avançam e as fachadas vão ganhando revestimentos modernos, bem longe do que foram projetados.

No alto dos seus 91 anos, vividos por ali, na Ladeira da Misericórdia, a aposentada Arailde Botelho é uma das sobreviventes a invasão da cidade. “Gosto muito de morar aqui, mas sinto que o lugar já não vai muito longe. Falta vontade de fazer mais”, opinou.

Na contramão dos pleitos de preservação, o microempresário Raiony Costa, 27, reclama. “Acabamos como prisioneiros do que é nosso. Qualquer intervenção acaba esbarrando em muita burocracia. Morar em um local antigo requer ainda mais a necessidade de reformas”, opinou o morador da Rua 13 de Maio.

À frente da Sociedade Olindense de Defesa da Cidade Alta (Sodeca), Edmilson Cordeiro pondera: “Todo o sistema é muito falho e acaba deixando brechas. Hoje temos enormes painéis de grafitagem nas paredes de um conjunto que é tombado. Não é a toa que, a todo o momento, vivemos sob a ameaça de perder esse título”, afirmou.

O secretário de Meio Ambiente Urbano e Natural de Olinda, Helvio Polito, reconhece as dificuldades. “Diferente de outras cidades históricas, temos 80% das edificações usadas como residência, o que implica em novos formatos de família e a necessidade de alterações. Estamos em fase de conclusão de um plano de gestão que possibilitará identificar os principais problemas”, assegurou.

Segundo ele, até dezembro, será montado uma espécie de escritório de assistência para pequenos reparos. “A ideia é de auxiliar os cidadãos em reformas emergenciais, produzindo menores impactos” disse. Leia também: Olinda e Óbitos: semelhanças arquitetônicas.

Fonte: Folhape

Envie um comentário

Redes Sociais:

Manu

sesi-dez

Anuncio-gif OH

pernambucont

Olinda Hoje no Facebook:

Previsão do Tempo:

Favoritos

Categorias do Blog:

Mapa do Site:

Arquivos do Blog: