fev
23

AINDA BEM! O MUNDO SÓ ACABARÁ EM 2019

AuthorPostado por: Paulo Fernando    Category Em: Olinda     Tags

Nos últimos anos, tem sido grande a discussão sobre o fim do mundo, baseada, sobretudo, nas previsões da civilização Maia. De acordo com os registros deixados por aquele povo indígena, com avançados conhecimentos de matemática e astronomia, o fim está previsto exatamente para o dia 21 de dezembro de 2012.

Os Maias tinham dois calendários, complexos e cheios de detalhes. Um deles, dividido em ciclos que se renovam a cada 5.124,4 anos. Eles acreditavam que a cada fim de ciclo haveria destruição… e reconstrução. O atual começou em 13 de agosto do ano de 3.114 a.C e será concluído exatamente dentro de dez meses, em 21 de dezembro de 2012.

Estes relatos pré-históricos serviram de mote para a publicação de inúmeros livros e o lançamento de alguns filmes sobre o assunto. O direcionamento, os pontos de vista e os comentários dos autores são os mais diversos, um verdadeiro exercício ficcional. De verdade, mesmo, só especulações, conjecturas e o sucesso de vendas. Mas se as previsões Maia se confirmarem, será péssimo (também) para os autores das obras, que não terão tempo de gastar todo o dinheiro que arrecadaram.

Estardalhaços e especulações à parte, é bom ressaltar que os Maias, segundo os especialistas no estudo dos escritos deixados por aquela civilização pré-colombiana, não previram o “fim do mundo” no seu sentido literal. Nos documentos eles relatam que, ao término de uma era e o começo de outra, ocorrerá o retorno do deus Bolon Yokte, divindade vinculada à criação e à guerra. No livro de Chalam Balam está previsto que ao final deste ciclo a Divindade Suprema retornará à Terra para anunciar uma nova era. Será o dia do juízo final?

Aliás, livros conhecidos dos cristãos também relatam previsões semelhantes, de guerras, fim dos tempos e volta do Messias. A Bíblia, no Evangelho de Mateus (24: 4-14) fala sobre o princípio das dores: “Acautelai-vos, que ninguém vos engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e rumores de guerras; não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não será o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino; e haverá fomes, e pestes, e terremotos em vários lugares. Mas todas essas coisas são o princípio das dores”.

Mais à frente diz que “…logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas. Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; e todos os povos da Terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória” (Mateus 24: 29-30).

Na obra espírita “A Gênese” também há registro da “chegada dos tempos”: “Quando se vos diz que a humanidade chegou a um período de transformação e que a Terra deve elevar-se na hierarquia dos mundos, não vejais nada de místico nessas palavras, mas, ao contrário, a execução de uma das grandes leis fatais do universo, contra as quais toda a malquerença humana se abate” (Capítulo XVIII, item 8).

MAS NÃO SERÁ EM 2012

As especulações sobre as supostas ”profecias do fim” em 21 de dezembro de 2012 foram rejeitadas e receberam uma nova interpretação – ou uma nova versão do médium brasileiro Francisco Cândido Xavier. No livro “Não será em 2012”, de Marlene Nobre e Geraldo Lemos Neto, está o relato do médium aos autores, apontando que a data-limite (ou o “ano da grande abominação”) será, não agora, mas em julho de 2019.

O livro “Não será em 2012” foi lançado no ano passado (2011), pela Fé Editora. Tem sete capítulos, distribuídos em apenas 79 páginas. É, na verdade, a compilação e reprodução de artigos e entrevistas publicadas no periódico Folha Espírita. O objetivo de Marlene e Geraldo é apresentar as revelações de Chico Xavier sobre o fim dos tempos e o futuro da humanidade, ouvidas por eles em momentos distintos. Acredito que a proximidade da data-limite prevista pelos Maias, deixou os autores ansiosos, levando-os a apressar-se na divulgação da versão do médium, deixando de lado, até, uma revisão gramatical mais atenta do trabalho. Mas por que só divulgaram agora, o que já sabiam há mais de 25 anos?

Os autores são espíritas. Marlene Nobre preside a Associação Médico-Espírita do Brasil. Trabalhou diretamente com Chico Xavier durante quatro anos (1958-1962), mas sempre manteve com ele um relacionamento estreito, chegando a entrevistá-lo, para matérias e artigos publicados na Folha Espírita, durante 23 anos. No livro ela reedita uma entrevista de 1992, quando o médium revelou a importância que terá o Brasil n(ess)a Nova Era.

Geraldo Lemos Neto fundou a Casa de Chico Xavier, em Pedro Leopoldo (MG) e foi editor de vários livros do médium, pela Vinha de Luz Editora. Segundo o próprio, conheceu Chico ainda na juventude, quando passou a hospedar-se com regularidade na sua casa, em Uberaba (MG). Dele ouviu vários relatos, mas o que mais o impressionou ocorreu em 1986 e tratava justamente das mudanças que estão por vir, em 2019.

Não será em 2012”fala um pouco do processo de transição da Terra, que terá culminância em 2019. Traz informações importantes e interessantes. Mas, para os não espíritas, a leitura pode ser um tanto cansativa, enfadonha, por conta do caráter, digamos, doutrinário com que Chico e o seu mentor Emmanuel relatam os fatos.

Entre outras, fala-se da luta do bem contra o mal; das profecias de Jesus, da necessidade dos homens de reorientar a maneira de pensar e viver e das responsabilidades individuais para a ascensão espiritual da humanidade, a partir da busca e manutenção da paz. Alerta que a situação será mais ou menos dolorosa, com mais ou menos sofrimentos, dependendo das escolhas de comportamento que fizermos – de hoje até lá.

O livro começa com “Os Maias e o ano de 2012”, relatando um pouco das previsões daquele povo (Capítulo 1). O Capítulo 2 nos fala da “Renovação Moral: a essência na nossa evolução”, baseada numa entrevista dada pelo espírito Emmanuel na década de 1950, onde dá ênfase às lições de Jesus e, em certo trecho, pede discernimento ao homem e afirma que a renovação moral é essencial à evolução. O teor do Capítulo 3 é “Bíblia tem explicações sobre momento de transição em que vivemos”, aberto com uma citação de Emmanuel, do livro Caminho da Luz. O Capítulo 4 traz “As profecias do Cristo” contidas em trechos dos Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas.

As “Revelações de Chico Xavier mostram que o futuro da Terra está nas mãos do homem” estão no Capítulo 5. No seu relato, diz que o destino da humanidade dependerá do caminho que escolhermos para trilhar: o da sabedoria e do amor ou o da ignorância e do ódio. No Capítulo 6 estão “Importantes testemunhos sobre o papel do Brasil na Nova Era”, a partir da visão dos espíritos sobre o país e a sua “missão espiritual”. Finalmente, o Capítulo 7 trata das “Revelações de Chico Xavier sobre o papel do Brasil na transição”. E aqui, um relato nada animador para nós, brasileiros: a divisão do país e cessão de terras aos estrangeiros.

O QUE ESTÁ POR VIR

Os capítulos 5 e 7 são, na minha opinião, os mais interessantes. No primeiro, a confidência do médium a Geraldo Lemos, em 1986, é importantíssima. Relata que em 20 de junho de 1969, quando o homem chegou à Lua (a data está incorreta), ocorreu uma reunião de entes superiores para definir o destino da Terra:

o Governador Espiritual da Terra, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, ouvindo o apelo de outros seres angelicais de nosso Sistema Solar, convocara uma reunião destinada a deliberar sobre o futuro de nosso planeta; (…) Depois de muito diálogo entre eles foram dadas diversas sugestões e, ao final do celeste conclave, a bondade de Jesus decidiu conceder uma última chance à comunidade terráquea; (…) Nosso Senhor deliberou conceder uma moratória de 50 anos à sociedade terrena, a iniciar-se em 20 de julho de 1969, e, portanto, a findar-se em julho de 2019” (p. 50).
Chico Xavier prevê, até lá, que a humanidade, dependendo da decisão que tomar, poderá sofrer com uma guerra nuclear. Tomando uma outra decisão experimentará avanços, terá total acesso à informação, haverá soluções para problemas de ordem social, como a fome e a pobreza; e a descoberta de cura para doenças do corpo físico através da manipulação genética. Irmãos de planetas mais evoluídos também terão permissão para se apresentar a nós e oferecer tecnologias novas.
Com relação ao Brasil o médium faz previsões nada animadoras e afirma que o país sofrerá com os efeitos das catástrofes que estão por vir e deixará de ter a atual extensão. A maior parte do território será dividido entre outras nações:

“Nosso Brasil, como o conhecemos hoje, será então desfigurado e dividido em quatro nações distintas. Somente uma quarta parte de nosso território permanecerá conosco (…) Os norte-americanos, canadenses e mexicanos ocuparão os Estados da região Norte do país, em sintonia com a Colômbia e a Venezuela. Os europeus virão ocupar os Estados da região Sul, unindo-os ao Uruguai, à Argentina e ao Chile. Os asiáticos, notadamente chineses, japoneses e coreanos virão ocupar o nosso Centro-Oeste, em conexão com o Paraguai a Bolívia e o Peru. Por fim, os Estados do Nordeste serão ocupados pelos russos e povos eslavos” (p. 54-55).

No Capítulo 7, Chico Xavier diz que o Brasil vai ficar limitado apenas a alguns Estados da região Sudeste, Centro-Oeste e Sul. O país será composto apenas de Minas Gerais, São Paulo, Goiás/Distrito Federal e um pedaço dos Estados do Rio de Janeiro e do Paraná. (p. 74).

CONCLUSÃO

A obra dando publicidade à revelação feita por Chico Xavier e contestando a data da previsão Maia é interessante. Vem somar às discussões atuais sobre o tema. Acreditar em uma delas, ou desacreditar das duas, caberá a cada leitor, de acordo com as suas convicções.

Sem querer desmerecer ou colocar em dúvida a veracidade das informações contidas na obra, a mesma nos leva a pelo menos quatro questionamentos:


1) Por que o próprio Chico Xavier não fez a divulgação do que soube dos espíritos?
2) Qual ou quais motivos o levaram a manter essas informações, obtidas em 1969, em segredo?
3) Por que Geraldo Lemos, ao ouvir o relato do médium não o convenceu a divulga-lo?
4) Por que o autor somente agora, 25 anos depois de escutar tal relato,  veio divulga-lo? Havia motivo para guardar o segredo por tanto tempo? Havia alguma nesse sentido?

No início afirmamos que, talvez, a pressa (tardia) na divulgação da versão de Chico Xavier sobre o “fim dos tempos” levou os autores a deixar de fazer a revisão do texto. Além da pontuação, de erros gramaticais e de digitação, também encontramos alguns equívocos de datas, como os da Profecia Maia (Citada como 22 de dezembro, quando o correto é 21 de dezembro) e da chegada do homem à Lua (20 de julho de 1969 e não 20 de junho, como foi citado). Mas de forma nenhuma esses erros prejudicam o trabalho.


Vale a pena a leitura!

Envie um comentário

Carnaval 2020

Está chegando o Sábado de Carnaval22 de fevereiro de 2020
O grande dia está aqui.

Olinda Hoje no Facebook:

Previsão do Tempo:

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 613 outros assinantes

Categorias do Blog:

Mapa do Site:

Arquivos do Blog:

Olinda Hoje

%d blogueiros gostam disto: